06
Ago 08

 

Análise do Discurso do Método
O Discurso do Método apresenta uma série de passos para chegar ao conhecimento universalmente válido.
Nesta obra , René Descartes começa por afirmar que a inteligência e a Razão igualmente distribuídas igaulmente por todos os seres humanos.Afirma também que todos os homens são capazes de distinguir o falso do verdadeiro.Então o mesmo autor questiona-se , porque é que que algumas pessoas se enganam.
A resposta é simples , alguns usam a inteligência e Razão de uma melhor maneira , ou seja têm um bom método.É necessário o método para aplicar bem as suas faculdades e quanto melhor for esse método , mais perto perto se fica da verdade filosófica.A intenção do autor era portanto apresentar o método que usou para chegar a certezas e verdades. O objectivo da obra era encontrar um método que garanta a certeza nas ciências. Se este método for encontrado , responder à questão se haverão certezas.
Descartes fala-nos da importância da matemática .Esta parte do universal ( princípio sólido ) para o particular.Através das leis óbvias e válidas chegamos a outras .
Descartes pensa que se pusermos tudo em dúvida , podemos chegar a um princípio útil e posteriormente alcançar novas conclusões , ou seja , começar a descobrir o que é o conhecimento.Esta dúvida cartesiana é diferente da dúvida céptica , enquanto a dúvida céptica é sistemática , incerta e estéril ( não nos leva a lado nenhum ) , a dúvida metódica ( de Descartes ) pretende chegar à verdade . A dúvida é metódica ( apenas durante um certo tempo ), voluntária ( quer chegar a um conhecimento universal ) , radical e hiperbólica . Esta dúvida leva-nos a ser autónomos , este é o objectivo da filosofia e da obra. A autonomia é muito importante na ciência , temos de afastar os nossos costumes , ensinamentos e preconceitos e pensar com a nossa cabeça .Deixar tudo para trás e começar de novo.
Descartes demonstra uma certa humildade própria dos filósofos ao dizer que não tem a intenção de ensinar o método que cada um deverá adoptar , mas apenas mostrar a forma como Descartes chegou à sua.
Descartes afirma que sempre que algo for discustível ( duas pessoas inteligentes podem ter opniões diferentes ) dever-se-á considerar falso , só será verdadeiro o que for constrigente .Tudo o que é verosímil tamém é falso.
Assim se conclui a Primeira Parte do Discurso do Método , que é a Introdução deste.
Na segunda parte Descartes afirma que “ antes de sermos adultos fomos crianças “ , que significa que ninguém é homem ( ser utilizador da razão ) desde o nascimento , portanto durante muito tempo fomos controlados pelos nossos sentidos e professores ( nós usamos a razão através daquilo que nos diziam ) . Assim temos que pôr tudo em dúvida ( metódica e nunca céptica ) para sermos autónomos e independentes , “ deitar tudo abaixo o edifício “ e reconstruí-lo guiando-nos pela razão . Resumindo , como devedores dos saberes dos outros é necessário pôr tudo em dúvida , ou seja , rever tudo para chegar à verdade.
Ainda nesta parte , Descartes apresenta as quatro regras do método.
A primeira regra é a Regra da Evidência ( clareza e distinção ) que diz que só o que é claro e distinto é que faz parte da ciência e que uma ideia clara e distinta é um ideia que não se pode pôr em dúvida . Recapitulando : não aceitar nada que não seja claro e distinto.
A segunda regra é a Regra da Análise/Divisão que divide o problema em diferentes partes para o analisar mais especificamente.
A terceira regra é a Regra da Síntese que analisa o problema do mais simples para o mais difícil.
A quarta Regra é a Regras da Enumeração / Revisão que volta ao início para rever tudo e confirmar , só assim se pode aceitar com certeza as nossas conclusões.
Na terceira parte , Descartes quer dar as bases para a construção da nova ciência .
O autor vai construir uma moral provisória enquanto não encontra a defenitiva. Fazendo uma analogia simples , este moral provisória é o contentor onde os trabalhadores que estão a construir um edifício guardam os materiais de construção. Este edifício de que fala Descartes é o edifício do conhecimento , sendo portanto , muito importante a base ( a primeira certeza) do mesmo . A moral é o conjunto de regras que nos ajudam a viver.
Descartes nunca escreveu uma obra acerca da “ moral definitiva “ , a razão para tal não ter sucedido é ou porque não teve tempo ou , numa perspectiva mais filosófica , não há morais definitivas . A moral é permutável , muda com os tempos e circunstâncias.
Descartes pensa que primeiro temos de viver e só depois filosofar ( reflectir sobre o modo como estamos a viver ) .
O autor apresenta quatro máximas através das quais vai sustentar o seu comportamento moral , orientando a moral provisória.
A primeira é o pragmatismo que nos diz para obedecermos aos costumes e leis do país em que vivemos.
A segunda máxima é a do ser resoluto e decidido , ou seja , tomar uma decisão e não mais voltar atrás , ir sempre na mesma direcção.Devemos ser decididos e não confundir o essencial com o acessório.
A terceira máxima diz-nos que devemos fazer o melhor que esta ao nosso alcance , estando assim relacionada com o estoicismo. O estoico é aquele que pensa que a felicidade está numa certa pobreza material. O estoicismo põe em primeiro lugar aquilo que é bom para todos . O estoico é altruista e ao contrário do egoísta ou invejoso a sua felicidade está para além do bem pessoal.
Na quarta máxima Descartes diz-nos que mesmo que a sua moral seja provisória ele não fica elibado de procurar a verdade e criticar os comportamentos.Nunca pode abdicar de ser o mais razoável . Esta máxima é a síntese de todas as outras. À semelhança de Sócrates , Descartes defende que os ignorantes são incapazes de praticar o bem ou justiça pois simplesmente não conhecem o seu significado , portanto só os sábios ( pessoas mais perto da verdade ) são capazes de os realizar.
Estas máximas são o resultado do método que Descates está a propôr.
Descartes também critica a atitude dos cépticos , pois estes nunca têm alternativas . Duvidam , criticam mas nunca encontram a solução ou a verdade . O tipo de cepticismo de Descartes é por seu lado diferente dos Cépticos Extremos , ele duvida mas com o intuito de encontrar a verdade , não sendo a sua dúvida interminável.
Descartes procurava encontrar algo sólido e fixo para construir o edifício do conhecimento.
A quarta parte é a principal da obra . Nesta parte , o autor vai apenas dedicar-se à procura da verdade Descartes adverte-nos para o facto que podemos estar a sonhar , diz-nos que devemos duvidar dos nossos sentidos e que devemos tomar cuidado para não cometer erros involuntáriamente ( falta de método).
Cognito Ergo Sum “ ( penso , logo existo ) , com esta afirmação nasce a primeira nasce a primeira certeza. Adúvida nunca consegue destruir esta definição , pois para duvidar tenho de pensar. Mesmo que esta “ realidade “ física seja uma espécie de sonho , a alma nunca perde a sua identidade , ou seja existo sempre como um ser pensante. O ser humano possui duas substâncias : a alma e o corpo . O que com que nós existamos é a alma.
Descartes sabe que não é perfeito porque ele duvidou e um ser perfeito tem a sabedoria total e não duvida , o que nos leva portanto , à segunda certeza , a existência de Deus.
Ao pôr o Homem como primeira certeza e Deus como segunda , Descartes inverteu toda a filosofia medieval e abriu as portas para a filosofia moderna.
Descartes formolou três provas para demonstrar a existência de Deus.
A primeira prova da existência de Deus é a Prova da Casualidade que nos diz que apenas um ser perfeito pode dar origem a outro ser. Cada causa tem um efeito , Deus é , portanto , a causa da nossa existência ( este Deus não é o Deus puramente religioso ).
Senão existisse um ser perfeito nós não saberiamos o que era imperfeição . Segundo Descartes , Deus não teria criado outros seres perfeitos porque senão autoanulava-se.
A segunda prova era a Prova da Participação , pois o ser humano ao olhar para as suas características tem que supor que existe um ser que não se engana.
O último argumento para provar a existência de Deus é o do Santo Anselmo ( filósofo do século XII ) , no qual se diz que um ser perfeito senão existisse não era perfeito. Dentro da ideia de Deus está na ideia de perfeição e dentro desta encontra-se a ideia de existência .Descartes faz uma analogia a um triângulo que contêm em si três ângulos para explicar este argumento.
Na quinta parte , Descartes fala-nos da 3ª certeza a que chegou . Descartes , na quarta parte da obra , volta a afirmar que Deus existe e é um ser perfeito. Se Deus é perfeito então a hipótese de ser um ser superior malvado e enganador é excluida.Logo se Deus , que criou o nosso mundo , é perfeito e portanto não nos engana , a realidade física que percepcionamos existe.
Nesta parte , Descartes distingue , também , claramente alma ( res cognita ) de corpo ( res extensa ) .
A sexta parte da obra serve como conclusão da mesma . Nesta , Descartes refere-se a Galileu Galilei e à sua condenação por parte da Igreja , mostrando também o autor algum receio em que a sua obra não seja bem recebida pela Igreja e também ele seja condenado.
Descartes , nesta parte , afirma que existem muitos mais tópicos sobre os quais ele gostaria de estudar e escrever , e menciona a importância da obra estar escrita em francês , ao contrário do latim ( língua em que normalmente as obras cientificas eram escritas e que pouca gente conhecia ) o francês , conhecido por muito mais gente permitia uma divulgação da obra , não só dentro da comunidade cientifica , mas sim para toda a população. A obra estava escrita de uma forma que todas as pessoas eram capazes de a compreender , não só as que possuíam conhecimentos no campo da Filosofia. Desta forma , mais gente a leria e causaria um maior impacto. O autor mostra assim uma grande preocupação pela divulgação da Filosofia.
publicado por apontamentosecundario às 14:03
tags:

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos
2008

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO